Por que enterramos os mortos?

Compartilhe a Verdade:


De todas as coisas que nos tornam humanos e seres culturais uma das mais importantes e fundamentais é o ritual fúnebre. O reconhecimento da finitude da vida bem como a esperança de que a vida, seja lá o que for, não se resume ao período em que estamos enclausurados no corpo é algo que só nós conseguimos fazer com tamanha complexidade. De Bororo a vietcongue todos nós enterramos nossos mortos.

 

A parte todo o lance sanitário a visão do cadáver é terrível demais pra se ter no cotidiano. Portanto nós enterramos nossos mortos. Quando o corpo se torna só matéria orgânica e o que o animava e garantia que era uma pessoa já não se encontra mais lá devemos dar um final adequado e afastado do cotidiano para aquele lembrete de que aquilo é o que nos resta. Caso deixemos o cadáver em exposição ele irá putrefazer, gerar vermes e mais vermes, mal cheiros, aparência horrorosa que irá aos poucos minando nossas memórias sobre quem aquela pessoa já foi e atrair moscas que serão as portadoras de novas mortes e consequentemente mais cadáveres.

 

O ato de enterrar os corpos é quase tão antigo quanto o próprio ser humano. Pesquisadores descobriram cemitérios estimados em 60000 a.C., com chifres de animais sobre os restos mortais, indicando que já existia o ritual de presentear o falecido.

A necessidade de “esconder” os corpos embaixo da terra, ou mesmo de pedras, tinha um sentido diferente do atual: corpos em putrefação atraíam animais. Sendo assim, essa era uma maneira de se proteger dos predadores.

Já o costume de velar os corpos tem outra origem. É provável que esse ritual tenha surgido na Idade Média, quando muitos dos utensílios domésticos, como copos e pratos, eram fabricados com estanho. As famílias com mais posses utilizavam copos desse metal para consumir bebidas alcoólicas, porém, a mistura das substâncias poderia deixar o sujeito “no chão”, causando uma espécie de narcolepsia. Quando encontrado, o corpo era recolhido e colocado sobre uma mesa. Assim, a família fazia uma vigília para ver se o “morto” iria acordar.

 

O povo hebreu criou o costume de sepultar os mortos, posteriormente adotado pela Igreja Católica.

O sepultamento, diferente do enterro, consiste em colocar o corpo em uma sepultura e não em uma cova.

Os sepultamentos dentro de igrejas eram muito comuns na Europa até que, no século XIV, a peste negra dizimou milhões de pessoas, fazendo com que não fosse possível comportar tantos corpos. Assim, os enterros foram instituídos.

 

No Brasil, os sepultamentos em igrejas existiram até a década de 20, quando foram construídos os primeiros cemitérios. Antes disso, apenas escravos e indigentes eram enterrados, enquanto os homens livres eram sepultados nas igrejas. Devido a esse costume, era possível “medir” o tamanho de uma cidade pela quantidade de igrejas que ela possuía.

Estima-se que o maior cemitério do mundo é o “Wadi Al-Salaam”, no Iraque, com mais de 5 milhões de corpos.

 

No Brasil, quem não possui um espaço privado no cemitério é enterrado nas “quadras gerais”. Após três anos, o corpo é exumado e os restos são direcionados a um ossário.

Os valores para a cerimônia de velório e o enterro variam muito de cidade para cidade. O jornal Estado de Minas fez um levantamento na capital e verificou que os preços podem divergir de R$ 3,77 mil a R$ 43,6 mil.

Já o site Crematório Vila Alpina aponta que as cremações custam de R$ 4,5 mil a R$ 9 mil no país.

Enterrar um corpo em terreno privado, e não no cemitério, é considerado crime de ocultação de cadáver.

 

 

O funeral com fogueira onde se queima o corpo é uma honra reservada à Reis e Heróis. 

 

O velório, momento onde se vela o corpo por muitas horas, é também um costume de precaução pra garantir que a catalepsia (paralisia do sono) não leve alguém a ser enterrado vivo, o que é um evento bastante conhecido, e muito perturbador. 

Compartilhe a Verdade:


13
Deixe um comentário

Please Login to comment

Entre com:




12 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
12 Comment authors
Admin bar avatarLin de OliveiraLuna Yashiki RufinoDeborah HggJonathan Muniz Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Miryam Yoshiko

Muito interessante saber sobre a origem do velamento do corpo. E a diferença entre sepultar e enterrar. Realmente não deve ser nada agradável presenciar um corpo se degradando. E cada País pode ter uma tradição diferente em relaçao a lidar com esses momentos. No Japão me surpreendi quando fui a um velório pela primeira vez. Quem ainda segue o costume antigo, vela o corpo em casa, mas com a pessoa deitada em colchonete com cobertor, como se estivessem dormindo, no chão mesmo, como costumam dormir. Há todo um ritual onde depois ele é levado para o crematório, onde se vela… Read more »

(Alleyn)
Membro

Obrigada querida Mestra pelo relato, não fazia ideia.

Camila Ribeiro
Membro

Interessante, não imaginava que era por isso que as pessoas eram veladas !

Rafael Isaac Franchini
Membro
Rafael Isaac Franchini

Há poucos dias atrás , passei por esse processo de velar e sepultar um ente querido. É conforme foi mencionado na matéria, tem gastos, desgastes , porém necessário que se faça.

Aproveitando o gancho, na bíblia a relatos de ressurreição, por ex: Lázaro … E tbm um texto que diz que todos os que estão em seus túmulos memórias sairão (algo assim) é um assunto intrigante, que requer entendimento para se interpretar .

Já vi até debates religiosos que entram em conflito, sobre o entendimento dessas passagens.

Pedro Sora
Editor

muito interessante, não fazia ideia

Marcio Alves Otero Barco Juntor
Membro
Marcio Alves Otero Barco Juntor

Morte morte morte que talvez seja o segredo dessa vida, luz pra nós

(Alleyn)
Membro

Impressionante. Cada vez mais aprendendo a respeitar tradições e costumes culturais.

Arlete Lima
Membro
Arlete Lima

À uns três dias tive essa observação sobre o ato de enterrar mas foi menos lógico nunca havia pensado em sepultamento por essa perspetiva de que o ato ser parecido com um plantio de uma semente que até então parece morta até que abrimos uma cova e colocamos a semente e a semente renasce. Viemos do pó e ao pó retornaremos e então resurgimos do pó que parecia ser o fim, ser o nada…..

Jonathan Muniz
Jonathan Muniz

Luz p’ra nós!

Deborah Hgg
Membro

realmente bem interessante mesmo, tirando a questão sanitária é uma pena mesmo sermos obrigados a enterrar os entes queridos em um cemitério repleto de energias alheias, certamente o ritual de passagem no Reino será como o dos Reis e Heróis, que tiveram a força divina pra lutar no sistema atual da injustiça. Luz p’ra nós, obrigada pelos ensinamentos! Se Deus quiser nosso corpo irá nutrir os reinos vegetal, funghi do Reino, e nossa alma retornará o mais próximo possível.

Luna Yashiki
Membro

Massa essa matéria. Gratilucifer.

Lin de Oliveira
Membro
Lin de Oliveira

Luz p’ra nós.

Admin bar avatar
Membro
Henrique Barboza Vaz

Matéria super interessante, Luz pra nós!