sex. out 18th, 2019

O Matriarcado #circuloedl

Compartilhe a Verdade:


O poder misterioso feminino que gera a vida em seu ventre e a nutre em seu seio foi o berço das primeiras experiências espirituais do ser humano. O matriarcado parece prevalecer nos primórdios das civilizações, quando as sociedades ainda se organizavam em tribo e estavam em processo de expansão. Haviam diversos povos espalhados pela terra, alguns mais evoluídos com desdobramentos Luciferianos e outros mais primitivos e mais próximas do Reinos Animal, mas vemos em todos os povos formas de cultos ao divino e religiões, que em muitas culturas se conectam.
Deus se manifesta para povos diferentes que tem perspectivas diferentes de Deus, mas todas juntas falam da mesma força que comungavam meio a natureza.
O próprio contato com a natureza, a Mãe Terra, sobre a qual vivemos, a qual nos sustenta, nos da a vida e o alimento releva como o ser humano passou a sintonizar com dimensões celestes do Reino Dévico. A partir da observações da natureza o ser humano buscava entender suas origens, e a saldavam em vida como a Grande Mãe. Os povos paleolíticos acreditavam que as cavernas eram o útero da mãe dos vivos, e lá faziam rituais de fertilidade, nascimento e morte. Foram descobertos em estudos arqueólogos estatuetas de mulheres dando a luz e amamentando em um culto a Deusa aonde o princípio do sagrado feminino nos é revelado. Descobertas de estudos arqueólogos como esse mudam nossa forma de interpretar o processo evolutivo religioso da humanidade.
A religião da Deusa, a grande Mãe, esta nos primórdios de todas as civilizações em tempos imemoráveis, e depois foi ocultada e renegada pelos dogmas das religiões patriarcas, como essas e muitas outras descobertas foram.

Irei nesse post sintetizar um pouco dessa transição de matriarcado para patriarcado e decifrar o culto a Grande Mãe. Lembrando que sou apenas perspectiva e não totalidade, e esse olhar para os primórdios é apenas um dos diversos ângulos existentes.

Historia

No final da era glacial, cerda de 10.000 a 8.000 anos a.c. as sociedades primitivam tinham meios mais favoráveis para se desenvolver em tribos cada vez maiores com organizações mais complexas. O desenvolvimento da agricultura, a criação de animais e a manipulação da matéria bruta em arte, armas e utensílios domésticos deu início a idade da pedra polida. Entende-se que a mulher que deu origem a agricultura, pois ja que eram elas que coletavam os frutos e os grãos, devolveram a semente a Grande Mãe e ela lhes revelou os mistérios da plantação, assim também as mulheres descobriram o pão ao manipular as sementes do trigo. Com seu instinto criativo transformavam os produtos brutos da natureza em utensílios domésticos e arte, passaram a tecer os fios de lã dos animais em roupas e também utilizaram o barro junto a agua e o fogo para modelar vasos. Elas faziam a manutenção e cuidado da tribo, faziam os alimentos, medicinas e cuidavam das crianças, plantas e animais, enquanto os homens iam a caça e desbravavam a floresta em busca de novas terras.
A linhagem era matrilinear, comunidades matrimoniais e geocêntricas, não haviam casamentos monogamicos nos primórdios das civilizações e não era possível reconhecer a paternidade precisa das crianças, as crianças pertenciam a comunidade e a hierarquia era passada de mãe para mãe.
Devido a sua sensibilidade as mulheres eram as mediadoras entre o ser humano e os espíritos da natureza, durante milênios foram elas as parteiras, benzedeiras, curandeiras e sacerdotisas, por serem reconhecidas com um misterioso portal entre o mundo dos espíritos e da matéria. Elas ministravam os ritos de passagem, os cultos e a leitura cósmica dos ciclos planetários, por vivenciarem mais intimamente em seu corpo através de seus ciclos lunares. As mulheres mais velhas eram reconhecidas como as sábias da tribo, por portarem a conexão com os espíritos da natureza, o conhecimento das ervas e a sabedoria de fazer medicinas e rituais de cura e fertilidade.
A Deusa representa todo ato de criação da natureza e a dança de seus ciclos em estações, as fases da lua, os ciclos planetários, do nascimento ao crescimento, do florescimento ao amadurecimento, da morte ao renascimento. Seus ciclos são vividos ao longo da existência do ser, e os antigos povos o viam expresso na mulher em suas fases, da infância ao despertar sexual, ao dar a luz e amamentar, no recolhimento sábio da menopausa a velhice, a mulher era a sábia tecelã. Na antiga tradição comemorava-se passagens e transformações na vida feminina vistas não apenas do ângulo biológico mas com simbologias de mudança em todos os níveis como uma etapa de evolução espiritual, essa cognição ritualística da vida permite a conscientização e direcionamento do poder criativo feminino, em níveis individuais e coletivos. O representante de Deus era o sacerdote companheiro escolhido pela Deusa.

Ao lançar os olhos as antigas comunidade vemos basicamente uma forma de organização em que as mulheres faziam a manutenção e cuidado do coletivo e os homens tratavam das tarefas mais árduas, como a expansão da tribo, a proteção contra ataques adversos, a caça e pesca, o pasto, a preparação da terra para o plantio e o desenvolvimento de armas. A transição da sociedade de colheita para a de caça e conquista levou a uma nova estrutura social em que prevalecia a força física e a habilidade masculina de tirar a vida, em oposição a de gerar e cuidar dela, características femininas.
Enquanto as mulheres se reuniam em rituais, os homens criavam seus grupos centrados na demonstração de força, poder e celebração de feitos heróicos. Com a descoberta do seu papel na procriação ignorado ate então e revelado pela criação de animais domésticos, houve uma mudança na mentalidade masculina. O respeito pela totalidade de criação da mulher foi substituído pelo orgulho de serem os co-criadores, e pela autoridade e dominação do mais forte. Cultuavam o Deus da floresta, da caça e da vida selvagem e começaram seus cultos de forma a dar energia a suas praticas de conquista e batalha. Os jovens eram tentados a mostrar sua agressividade, competitividade e instinto de dominação em ritos de transição de criança para adulto, feitos com jogos e lutas. E com o surgimento de armas mais desenvolvidas pela manipulação do metal, deu inicio a idade do ferro.

Idade do ferro

Uma nova organização social, uma nova hierarquia, agora com castas de guerreiros foi surgindo, e as comunidades neolíticas foram adquirindo características patriarcais e bélicas, seguindo uma linhagem de geração patriarcal. Os povos mais ariscos impuseram-se aos demais disseminando o patriarcado, e assim os primeiros lideres militares representavam os primeiros reis. O poder da mulher declinou no lugar do novo sistema, a religião deixou de demonstrar reverencias a terra, a lua, a mulher, a mãe e a vida, e passou a saldar o pai, o sol, o homem, a guerra e a morte. O Deus dos antigos povos primitivos era aquele que os protegia, e se um povo dominasse outro, significava que seu Deus era mais forte que o Deus do povo dominado.
As grandes mães como Cibele, Demeter, Gaia e Tellus, cultuadas como senhoras da terra, dos ciclos e dos frutos foram reduzidas a personificação da terra e da matéria. Os mitos das Deusas foram reescritos por patriarcas e profetas de modo a enfatizar o poder de Deus, e as Deusas foram atribuídas a forças maléficas. Seus símbolos foram reduzidos, dos quais prevaleceram a serpente, o dragão, a escuridão, a lua negra, sinônimos de perigo e azar. Os mitos de criação foram deturpados e deixaram de conter conceitos primordiais da tríade, Pai, Mãe e Filho, e o lugar da mãe foi simbolizado pelo Espirito Santo. Muitos mitos de reverencia a Deusa também foram ocultados para que o poder da mulher fosse limitado, tornando-as espiritualmente inferiores.
Para garantir a autoridade do povo de um Deus hebraico, foi imposto sobre a psique da mulher símbolos opressores do poder feminino, e as mulheres eram condicionadas a se dirigir a um Pai celeste que as ameaçava com o medo do pecado. Foram apagados quais quer registros de antigos rituais da Grande Mãe, até mesmo na sinagoga elas eram descriminadas, seu sangue menstrual, antes usado em rituais de alquimia devido a seu poder, passou a ser considerado impuro e perigoso, a mulher menstruada não podia ir a igreja ou tocar os homens.

Teologias

No retrato teatral que se é passado em Genesis, a base do dualismo associa o homem a razão e ao controle e a mulher a irracionalidade e a sexualidade, que se torna a origem do pecado. Eva ao conhecer o ponto Lilith e transmitir a Adão seu reflexo, escolhe ficar ao seu lado ao invés de se render a Lilith, desde então o desdobramento da mãe soberana ocorre nesses três pontos Eva – Lilith – Maria.
A representação pura retratada em Maria recebendo a missão dada por Deus de gerar de forma imaculada aquele que veio salvar a humanidade reforça a suposição de sua virgindade livre do “ventre corrupto” das outras mulheres, porem Maria simboliza a volta do reconhecimento do sagrado na mulher. A imagem de Maria pisando na serpente simbolicamente demonstra a derrota da religião pagã da Deusa pelo cristianismo e também o domínio da Kundalini, domínio do antigo pecado, e a imagem de São Jorge cortando o dragão confere a aniquilação da Deusa pelo cristianismo.
Nos primordios do cristianismo eram incentivadas por Jesus a presença e participação das mulheres nas cerimonias, Maria Madalena teve um papel importante na divulgação da mais nova fé, em que predominava o amor e a igualdade de todos. Mas segundo a mentalidade judaica as mulheres deveriam ser silenciadas e obedientes acatando a autoridade paterna pela transgressão de Eva, considerando-as seres inferiores.

 

 

 

 

O culto a Maria

Na simbologia de Maria existem arquétipos de elementos e títulos das Deusas da Suméria, Egito, Canaã entre outras civilizações. A imagem de Maria representa o ressurgimento camuflado do culto ao sagrado feminino. Maria representa a mãe divina, a Senhora Soberana, que vela por seu filho do nascimento a morte. Maria sobrevoa todas as perspectivas do teatro, está acima do reino binário e não é abocanhada pelas referencias limitadas daquele antigo reino. Mãe de Deus, rainha dos céus, amorosa e benevolente que oferecia aos cristãos um arquétipo feminino de compaixão, amor e proteção. A partir de então muitas mulheres passaram a saldar o nome de Maria em suas praticas curativas.
A opressão patriarcal imposta pela igreja marcou a alma coletiva feminina, mas essa opressão foi suavizada por Maria, e sua manifestação se da através do Espirito Santo.
A divina mae virgem é representada em diversas civilizações, e o nascimento milagroso de Jesus assemelha-se ao de Deuses antigos como Dumuzi, Tammuz e Horus, vemos o Teatro Divino da vida e sua repetição dos mesmos padrões existenciais.

O retorno

A espiritualidade feminina é o resgate da afirmação circular da mulher, da natureza, valorizando aspectos maternais e honrando a tríade, pois a Mãe vinda do Pai, gera o Filho. O reconhecimento da energia feminina como uma força benevolente criativa de sustentação as mulheres podem ser usados de forma a melhorar suas vidas. O retorno do ser humano as tradições circulares da Deusa vem junto ao reconhecimento da Terra e de todos como parte dela.
No sec. xx ressurgiram antigas pratica, crenças e tradições espirituais e de cura alternativa. Milhares de mulheres e cada vez mais homens de países da Europa e America, com culturas baseadas na restrição católica/ortodoxa, privados dos símbolos mais ocultos guardados a 7 chaves pelo judaísmo durante séculos da supremacia patriarcal estão agora redescobrindo sua antiga história e resignificando seu contato com a natureza.

Estamos unindo nossas forças em nome da Verdade, junte-se a nós! Luz pra nós irmãos!

Compartilhe a Verdade:


23
Deixe um comentário

Please Login to comment
19 Comment threads
4 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
20 Comment authors
Gustavo KraemerDeborah HggMiryam YoshikoCatarina Melo Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Mateus Silva
Membro
Mateus Silva

Gratidão! Toda honra e toda glória a nossa mãe! Luz p’ra nós!

(Alleyn)
Membro

Luz p’ra nós!

Shirley Dias de Oliveira
Membro
Shirley Dias de Oliveira

Por anos eu não conseguir enxergar a mulher com grande importancia na sociedade a não ser servir o homem, cuidar do lar e dos filhos (não que isso nao seja bom em partes) Hoje vejo a importancia e força que a mulher tem e o quanto de conhecimento foi escondido de nós.

Leandro Quantum Oliveira.
Admin

Luz p’ra nós 🍎

Thiago Galhas
Membro

Excelente, irmã! Gratidão.
Luz p’ra nós!

João Pedro
Membro

Ótimo post. Glória ao santíssimo espírito santo, ao sagrado feminino.
Os povos já sofreram de mais com a opressão do patriarcado, é hora de voltarmos as origens.
Luz pra nós!

Josiele Lima1
Membro
Josiele Lima1

Que post maravilhoso e esclarecedor, como é bom ter orgulho de ser mulher e estar junto desse movimento resgatando a força feminina que por tanto tempo tem sido menosprezada. viva a força circular! Luz p’ra nós💜🌷🙏

Gracieli Silva Ortega
Membro
Gracieli Silva Ortega

Parabéns pelo Post incrível e lindo!
Relembrando a divindade feminina existente e sua importância.
Luz p’ra nós!

Admin bar avatar
Membro
Richard Maquiavel

Lindo Post
Luz p’ra nós!

Lucas Schwarzbold
Membro
Lucas Schwarzbold

Muito bom, parabéns, agregou muito, Luz p’ra nôs!

Admin bar avatar
Membro
Wellington Nascimento

Luz p’ra nós!

Márcio Henrique
Membro

Luz pra nós!

Raquel Broll
Membro

Passando para agradecer irmã ao post mega trampo, assim que der estarei lendo para fazer outro comentário!

Marcio Alves Otero Barco Jr
Membro
Marcio Alves Otero Barco Jr

luz pra nos!

Diosane Fortunato
Membro
Diosane Fortunato

Oloco que post, muito bom mesmo, abrindo nossa visão pra esse lado tão bonito de ver do matriarcado! Luz p’ra nós.

Membro
marcossgalma41

Toda honra e toda glória a Deusa!!!
Luz pra nós

Miryam Yoshiko
Admin

Finalmente lendo a matéria hoje querida irmã! É um tema muito precioso e resgatado em boa hora dentro de nosso contexto luciferiano e transbordar de nosso reino <3
Luz p'ra nós!

Deborah Hgg
Membro

Belíssima matéria amada irmã!!!! A Força renasce, cada ciclo mais forte e mais próxima da libertação!!! Obrigada pelo belo trabalho! E pela linda (re)união! Luz pra nós!!!

Gustavo Kraemer
Editor

Lindo post, gratidão irmã, obrigado pelo compartilhamento de Luz
Luz pra nós!