Maia atende a pedidos e cancela homenagem à causa palestina na Câmara | Congresso em Foco

Compartilhe a Verdade:


O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), decidiu neste sábado (8) cancelar uma sessão solene pelo Dia Mundial de Jerusalém (Al-Quds, em árabe), uma data usada atualmente no mundo islâmico para defender que a cidade no Oriente Médio é capital da Palestina, e não do Estado de Israel.

Marcado para a próxima quarta-feira (12) às 9h, o evento ocorreria a pedido do deputado Evandro Roman (PSD-PR). O parlamentar, que tem laços com a comunidade árabe em Foz do Iguaçu, no oeste paranaense, fez o requerimento no dia 10 de abril. Maia autorizou a sessão em 27 de maio, mas voltou atrás. Segundo apurou o Congresso em Foco, o presidente da Câmara atendeu a pedidos de deputados do PSL e da frente parlamentar evangélica.

A assessoria de Maia confirmou que o cancelamento “foi uma decisão do presidente”, mas não deu uma justificativa. O espaço segue aberto para manifestação. Segundo o blog de Lauro Jardim, do jornal O Globo, Maia “disse a um inetrlocutor que fará, sim, uma homenagem a povos árabes e muçulmanos. Mas não quer que a Câmara promova um evento com qualquer conotação de disputa entre árabes e judeus”.

O Dia Mundial de Al-Quds foi criado em 1979 pelo Aiatolá Khomeini, líder da revolução iraniana deflagrada naquele ano, e é comemorado por parte do Islã na última sexta-feira do Ramadã, que em 2019 foi de 6 de maio a 4 de junho.

Procurado pela reportagem, o deputado Evandro Roman, propositor da sessão solene, disse não ter sido avisado por Maia e que foi pego de surpresa. “Ano passado nós fizemos e não teve problema nenhum. A Câmara dos Deputados é uma casa da tolerância e uma casa democrática, dos representantes do povo”, disse o parlamentar.

Um dos pedidos de cancelamento partiu da deputada Carla Zambelli (PSL-SP), que disse ter sido procurada pela Confederação Israelita do Brasil (Conib) e pela Hebraica de São Paulo. O motivo da intervenção, segundo ela, é que a data é marcada, em países como Canadá, Reino Unido e EUA, por manifestações de ódio a Israel e ao povo judeu. “No Brasil pode não ter acontecido nada [na homenagem à data na Câmara em 2018], mas você concorda que neste ano nós estamos vivendo um ambiente na política muito mais polarizado do que no ano passado?”, questiona.

“Eu sou cristão, católico, convicto dos meus princípios”, rebate Roman. “Mas esse fundamentalismo extremista [contra os povos árabes, na visão dele] leva muitas vezes, dentro do Brasil, a essa intolerância. É lamentável”, critica.

No requerimento em que pede a sessão solene, Roman destaca que o Brasil sempre buscou uma solução negociada para o conflito palestino-israelense, mas afirma que “as diversas resoluções das Nações Unidas e o Direito internacional não reconhecem a soberania do Estado de Israel na ocupação de qualquer parte de Jerusalém. Jerusalém é a capital histórica e milenar da Palestina”.

 

 

 

 

Compartilhe a Verdade:


8
Deixe um comentário

Please Login to comment

Entre com:




8 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
Jonathan MunizMiryam YoshikoLin de OliveiraSamuel RodriguesAdmin bar avatar Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Gustavo Kraemer
Editor

Luz pra nós

Thiago Galhas
Membro

Grato pelo compartilhamento da notícia, mestre.
Luz p’ra nós!

Leandro Quantum Oliveira.

Luz p’ra nós

Admin bar avatar
Membro
Richard Maquiavel

Luz p’ra nós

Samuel Rodrigues
Membro

porque será que o povo ta com raiva

Lin de Oliveira
Membro
Lin de Oliveira

Luz p’ra nós!!!!

Miryam Yoshiko

Como podem interferir em tudo, para que ficar boicotando algo que sempre aconteceu? O pior é quem aprova esses “pedidos”!

Jonathan Muniz
Jonathan Muniz

Luz p’ra nós!