Israel e o assassinato da infância palestina por prisões e torturas

Compartilhe a Verdade!

Compartilhe a Verdade:


Foto: Palestinos participam da abertura da exposição “From the Rubble”, que marca o Dia do Preso Palestino na Vila de Artes e Ofícios que foi danificada em um ataque aéreo israelense na Cidade de Gaza em 17 de abril de 2019

As autoridades de ocupação israelenses transformaram as imagens de alegria, brincadeiras e educação que deveriam ser a norma para as crianças palestinas em um número chocante de violações cometidas pelo exército contra eles na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. Cerca de 1 milhão e 300 mil crianças palestinas na Cisjordânia são afetadas diariamente pela política de Israel prisão e detenção, bem como ataques a tiros, espancamentos e colonos ilegais invadindo suas já deterioradas propriedades.

Outras 1 milhão de crianças em Gaza são consideradas as mais afetadas pelas restrições impostas pela ocupação ilegal de colonos judeus. Isso inclui o cerco, agressão e múltiplas ofensivas militares. As crianças com menos de 15 anos constituem 42 por cento de toda a população da Faixa de Gaza; Israel basicamente assassinou sua infância.

A questão dos prisioneiros palestinos, incluindo greves de fome, tem sido significativa para a causa palestina desde 1967, afetando um grande número de pessoas em toda a Cisjordânia e Faixa de Gaza. Esta questão permanece ligada à colonização em expansão de Israel, à medida que sua ocupação invade os territórios palestinos pela força das armas e do terrorismo de Estado judaico sionista.

O significado dos prisioneiros é óbvio a partir dos fatos e números. O exército israelense prendeu pelo menos 800.000 palestinos desde 1967 na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, sem falar nos milhares de  mortos. Existem atualmente 7.000 prisioneiros palestinos nas prisões israelenses, incluindo 70 mulheres e mais de 400 crianças. As autoridades de ocupação mantêm palestinos em 22 prisões e centros de detenção, onde 95% deles foram submetidos a tortura e tratamento degradante.

Interrogações incluem tortura desde o momento da prisão. É comum os prisioneiros serem despojados e algemados e forçados a ficar expostos em temperaturas muito baixas. As famílias raramente têm permissão para visitá-los, até mesmo crianças presas.

Vários relatórios e estudos foram publicados nos últimos anos, que expõem os atos de Israel contra crianças palestinas. Os relatórios da UNICEF, em particular, confirmaram que as crianças palestinas detidas por Israel – 250 crianças com menos de 17 anos neste ano – são abusadas sistematicamente de uma maneira que viola a lei internacional e, principalmente, os princípios de humanidade. Isso inclui o uso de vendas nos olhos e algemas de cabo de plástico, bem como abuso físico e verbal durante a viagem aos centros de interrogatório. Segundo a UNICEF, uma média de 700 crianças entre 12 e 17 anos, a maioria do sexo masculino, são presas, interrogadas e detidas pelo exército, polícia e agências de segurança israelenses na Cisjordânia ocupada todos os anos.

O órgão da ONU também confirmou que documentou alguns exemplos de ações de Israel que podem ser classificadas como desumanas sob a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança (UNCRC). De acordo com o relatório da UNICEF, os maus tratos aos jovens palestinos geralmente começam no momento da prisão, o que geralmente acontece no meio da noite e é realizado por soldados armados; maus-tratos continuam durante os julgamentos e procedimentos de condenação.

O relatório também confirmou que os palestinos, que geralmente são detidos por atirar pedras, são frequentemente forçados a confessar. Além disso, eles não estão autorizados a chamar um advogado ou sua família durante o interrogatório. A maioria das crianças confessa no final do interrogatório e assina papéis escritos em hebraico, uma língua que eles não entendem.

As crianças podem ser, e são, mantidas em confinamento solitário por períodos que variam de dois dias a um mês antes de serem levados ao tribunal e, às vezes, até mesmo depois de serem sentenciados. Durante a sentença, as crianças são algemadas e têm os pés algemados. As principais provas contra eles são as “confissões”, a maioria das quais são extraídas sob coação. Menores com menos de 13 anos de idade são muitas vezes condenados à prisão por até seis meses, enquanto os maiores de 14 anos podem pegar 10 anos de prisão por atirar pedras; isso pode levar até 20 anos se o alvo for um carro em movimento.

É possível processar o estado de ocupação e criminosos de guerra israelenses através do sistema de justiça internacional? Após a adesão da Palestina ao Tribunal Penal Internacional, os palestinos podem, em teoria, processar os funcionários israelenses e o Estado de Israel por cometer crimes contra a humanidade e crimes de guerra. Se isso acontecesse, isso tiraria Israel de qualquer cobertura legal para o tratamento dos prisioneiros e o colocaria em confronto direto com a comunidade internacional.

Além disso, a adesão ao TPI abre as portas para pedidos de decisões legais e envolvimento com Israel através do processo legal, com foco em crianças presas. Também permitirá a apresentação de ações nos tribunais nacionais em países com legislação de jurisdição universal. As políticas israelenses em relação aos prisioneiros reforçam essa abordagem, pois incluem a detenção administrativa – sem acusação nem julgamento – e a transferência de prisioneiros palestinos dos territórios ocupados para as prisões israelenses. Isso por si só é ilegal e uma violação da lei internacional mais básica.

A questão dos prisioneiros palestinos pode, assim, ser internacionalizada, especialmente a situação das crianças mantidas presas, torturadas, e em condições sub-humanas pelos israelenses. Podemos nos beneficiar de especialistas em direito internacional e palestinos para conseguir isso, assim como aqueles que apoiam os direitos dos palestinos em todo o mundo.

Quanto tempo vai levar para o mundo perceber quem são os verdadeiros odiosos e ligar os pontos que os colocarão perante o óbvio emparelhamento de poder sionista judaico que intimida todos estes falsos Estados tidos como “democráticos” nestas convenções estúpidas da ONU e órgãos internacionais, mas não passam de escravos servidores de Israel, para que estes mesmos deixem de ser covardes com o apoio do SEU POVO DESPERTO e façam alguma coisa direta em defesa de nossos semelhantes palestinos?

Deus é mais. A verdade não calará no que depender de nossa escola. Lutaremos incansavelmente em todos os aspectos e mudaremos a forma, através da coerência, real justiça e verdade mostrada, de como o mundo enxerga a falsa realidade qual está imerso. Despertaremos gentios (não judeus) de toda essa alienação, subserviência e estado de desgraça qual está atualmente imposta nossa perspectiva existencial. Em nome da justiça do amor e da honra.

Força, coragem! Luz pra nós!

Compartilhe a Verdade:


0 0 vote
Article Rating

Compartilhe a Verdade!

Douglas Ceron

A verdade é viva e não exige ser provada à ninguém. Mostrá-la já é mais que suficiente para que almas dignas e grandiosas reencontrem o caminho de casa para contemplarem ao pai celestial e impronunciável com sua magnífica obra diante do verbo vivo. Luz pra nós. Amor e honra! Heil Lucifer!

Entre com:




Subscribe
Notify of
2 Comentários
Most Voted
Newest Oldest
Inline Feedbacks
View all comments
Admin bar avatar
17/07/2019 6:16 am

É como li em outro post do mestre Douglas: “e se fosse o seu filho?” Deus, até quando…Luz pra nós!

Lin de Oliveira
17/07/2019 11:28 am

Luz pra nos.

Next Post

Vídeo chocante: Forças de Israel prendem crianças palestinas indo à escola

ter jul 16 , 2019
Compartilhe a Verdade!Compartilhe a Verdade:E se… E SE FOSSE SEU FILHO? É este povo “judeu” de Israel que você apoia em particular para ditar normas em nosso País? São estes, judeus que se dizem perseguidos e vítimas no decorrer da história? São os Árabes, Muçulmanos e Palestinos os verdadeiros terroristas? […]

Siga-nos os bons

Ative o Sininho

Clique Aqui

Quem está online

Você:

Teus Téritos bônus

0 Téritos

Selo

300 Téritos

People who have earned this:

error

Seja caminho para a Verdade

2
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
Pular para a barra de ferramentas