Inseto descoberto em opala preciosa pode ser o mais antigo do mundo

Compartilhe a Verdade:


Em 2018, enquanto estava na Indonésia, o cientista Brian Berger encontrou uma peça decorativa que continha um mosquito preservado em opala resina, um mineraloide raro e precioso.

“Como evidenciado nas fotos, dá para ver um inseto por dentro”, ele escreveu no blog. “Após uma inspeção minuciosa, o inseto parece ter a boca aberta e estar muito bem preservado, com estruturas fibrosas até mesmo se estendendo dos apêndices.”

O Instituto Gemológico da América, nos Estados Unidos, estudou o espécime e emitiu um relatório e um certificado autenticando a descoberta. De acordo com o documento, trata-se de uma opala preciosa real, inalterada e não tratada, com a genuína inclusão do inseto.

Pode ser âmbar?
“Se é uma substituição de opala por âmbar, desafia nosso atual entendimento sobre a formação de opala”, disse Ben McHenry, geólogo no Museu do Sul da Austrália, em entrevista ao ScienceAlert. “Acho que este espécime pode ser fundamental na compreensão de como se forma opala.”

As teorias atuais sobre a formação do material afirmam que ela requer água com alto teor de sílica, além de rachaduras e cavidades. Na Austrália, onde a maioria das opalas do mundo pode ser encontrada, a água subterrânea ácida dissolve a sílica nas rochas e a lava como sedimento.

Inseto pode ter ficado na opala preciosa após ter ido ao encontro de âmbar em mandeira  (Foto: Brian Berger)

À medida que o pH da água se estabiliza, a sílica é depositada em cavidades na rocha. Na Indonésia, grande parte da opala é vulcânica, que ocorre quando o fluido vulcânico esfria. A água no derretimento desce e deposita sílica em cavidades.

McHenry sugere que a preservação pode ter sido formada com madeira opalizada, abundante na Indonésia. Como a madeira é fonte de âmbar, talvez o inseto tenha sido aninhado dentro de uma fenda antes de ocorrer a opalização. “Presumo que este pedaço de âmbar, ou o que antes era âmbar, tivesse o inseto nele, e de alguma forma nós tivemos uma troca iônica conforme os fluidos vulcânicos siliciosos passaram pelos sedimentos, os cozinharam e depositaram opala”, ele declarou.

Inseto de opala preciosa está muito bem preservado (Foto: Brian Berger)
Inseto descoberto em opala preciosa pode ser o mais antigo do mundo
Pesquisas

Berger comprou a pedra para sua coleção particular, mas está procurando trabalhar com cientistas para estudá-la em detalhes. “O âmbar opalizado é apenas a teoria inicial e, com mais estudos, espero determinar o processo de formação”, falou.

O âmbar leva milhões de anos para se transformar em pedra (grande parte da substância vendida como âmbar é na verdade copal, o ponto médio entre a resina e o âmbar), e a opala também demora muito para se formar e se solidificar, de modo que insetos não identificados podem ser muito antigos. “Se o processo de formação estiver correto, da seiva da árvore com um inseto através de um processo sedimentar, ao copal, ao âmbar, à opala, isso pode significar que o inseto tem a possibilidade de ser um dos mais antigos já descobertos”, explicou Berger.

Compartilhe a Verdade:


10
Deixe um comentário

Please Login to comment

Entre com:




10 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
Admin bar avatarDouglas CeronKaique AguiarJonathan MunizElielton Mariano Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Leandro Quantum Oliveira.

Muito interessante. Seria da hora uma estimativa do tempo que pode ter essa pedra. Mas enfim. É até não não ter essa estimativa, pode vir aqueles cálculos mirabolantes que fazem esse heliocentrismo que fala que tal planeta a tal “distância” x tem isso ou aquilo. Melhor assim mesmo, pé no chão. Ótima matéria. Luz p’ra nós

Marcio Alves Otero Barco Juntor
Membro
Marcio Alves Otero Barco Juntor

A natureza e seus misterios, Deus e sua perfeição, luz pra nós.

Miryam Yoshiko

A natureza é surpreendente. Um inseto estar dentro da formação de um mineral que leva tanto tempo para se formar é incrível.

Gustavo Kraemer
Editor

Massa

Thiago Galhas
Membro

Toda descoberta é fascinante… ou, cada “redescoberta”. Mas ainda mais importante do que as descobertas, é a vontade de alcançar as mesmas, pois é justamente esse o nosso propósito… nos aprofundar em nossos ecos a ponto de esquecermos de nós mesmos, para que então tenhamos o impulso que nos leva ao movimento na busca por nos redescobrirmos… e assim obter o tão desejado “alívio”. Eis o processo da consciência, a luz buscando ela mesma… como nosso mestre nos evidenciou.

Luz p’ra nós!

Elielton Mariano
Membro

Bem interessante…
Obrigado por compartilhar irmão!

Jonathan Muniz
Jonathan Muniz

Luz p’ra nós!

Kaique Aguiar
Membro
Kaique Aguiar

Mais interessante é a formação desse minério que leva milhões de anos pra se formar, dependendo de vários fatores pra acontecer, vou dar uma estudada mais a fundo sobre a solidificação dessas pedras divinas, 🤟👏 daora

Douglas Ceron
Editor

Super interessante. Sem nada à acrescentar.
Apenas gratidão. Luz pra nós!

Admin bar avatar
Membro
Henrique Barboza Vaz

Muito interessante, Luz pra nós!