Cresce o número de moradores de rua em São Paulo e no Rio de Janeiro

São Paulo - Alessandro Ferreira, Neguinho Tiradentes e Romaria na rua Ipiranga, em frente a praça da República, receberam doações de roupas e cobertores para ajudar a suportar o frio (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Compartilhe a Verdade:


A Prefeitura do Rio diz que o número de moradores de rua triplicou em 3 anos.
Na capital paulista, há entre 20 mil a 25 mil moradores de rua. ( imagine; uma cidade inteira de pessoas sem moradia)

 

É cada vez maior o número de pessoas que moram nas ruas das duas maiores cidades do Brasil: São Paulo e Rio de Janeiro.

No Centro do Rio de Janeiro, 60 pessoas dormem na calçada da Defensoria Pública. Segundo a Prefeitura, o número de moradores de rua triplicou na cidade em três anos e subiu de cinco mil, em 2013, para quase 15 mil em 2016. Muitas dessas pessoas são trabalhadores e outras desempregadas.

Carlos Manoel Gomes, de 28 anos, está no Rio de Janeiro há três meses e dorme nas ruas. Para fazer a barba e escovar os dentes, ele usa o banheiro do aeroporto. No local, há vários moradores de rua que fazem o mesmo. O café da manhã fica a dois quilômetros do aeroporto, no Largo da Glória.

 

 

Carlos procura emprego e também o pai. Sua família viveu na cidade até 2001 e depois da separação, ele e a mãe foram morar no Rio Grande do Sul. Ele trabalha desde os 18 anos e teve cinco empregos com carteira assinada. Um deles, em um frigorífico que pertence a JBS, grupo envolvido nos escândalos de corrupção investigados pela Lava Jato.

Na capital paulista, há entre 20 mil a 25 mil moradores de rua e 3% são crianças. Enquanto a população de São Paulo cresce, em média, 0,7% ao ano, o número de moradores de rua aumenta 4,1%.

 

 

Tamires Silva mora há oito meses em uma praça no Centro de São Paulo com os dois filhos, Alef de dois anos e Tainá de quatro, e está grávida do terceiro. Ela trabalhava em uma confeitaria e morava com a mãe. Desde novembro, está desempregada. Tamires não conta porque saiu de casa. Hoje, as crianças tomam banho de água gelada em um banheiro do metrô. A maioria dos pertences da família foram doados.

 

 

Ações na Cracolândia
Na manhã de um domingo, dia 21 de maio, a polícia realizou uma operação para prender traficantes que atuavam na Cracolândia, no Centro de São Paulo. Dois dias depois, a Prefeitura da cidade começou a demolir imóveis para reurbanizar a área.

Depois disso, a maioria dos usuários passou a se concentrar na Praça Princesa Isabel, que fica a poucos metros da Cracolândia. Mas uma série de operações da polícia fez com que os usuários deixassem o local. Depois de um mês da ação polícia, os usuários voltaram a se concentrar na mesma região.

Daniel Silva, de 26 anos, que também é usuário de crack, vive com a companheira em um espaço entre a grade e o portão de uma loja, na região da Cracolândia. Ele explica o motivo de não ir para um albergue: “Eu não gosto de ficar separado de quarto com a minha esposa. Lá tem quarto de homens e de mulheres. Eu sou dono da minha vida, não gosto de regras”.

 

São Paulo tem 85 albergues, apenas sete permitem que homens e mulheres durmam no mesmo quarto, desde que o casal tenha filhos. “Como aqui existem regras, tem horário pra entrar, pra fazer as atividades, pra tomar banho, pra sair, muitas das pessoas preferem a liberdade das ruas”, afirma Filipe Sabará, secretário de Assistência e Desenvolvimento Social.

O Atendimento Diário Emergencial foi criado há um mês com regras diferentes de um albergue. Os moradores de rua podem entrar em sair quando quiserem e o local fica aberto 24 horas.

A travesti Larissa mora há um mês embaixo do Minhocão, no Centro de São Paulo. Ela pede para não ser identificada porque a família, que é de Belém, não sabe da sua situação. Ela diz que já sofreu ataques homofóbicos em albergues e, por isso, prefere dormir na rua.

Anderson Dias, de 21 anos, morou na rua a primeira vez aos oitos anos, depois de fugir de casa. De lá pra cá foram muitas idas e vindas: “Eu faço amizade, conheço gente nova. Bem, bem eu não vivo, principalmente nesse frio”.

 

São Paulo – Alessandro Ferreira, Neguinho Tiradentes e Romaria na rua Ipiranga, em frente a praça da República, receberam doações de roupas e cobertores para ajudar a suportar o frio (Rovena Rosa/Agência Brasil)

 

Compartilhe a Verdade:


3
Deixe um comentário

Please Login to comment

Entre com:




3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
Admin bar avatarAdmin bar avatarAnderson Bento da Silva Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Anderson Bento da Silva
Membro
Anderson Bento da Silva

Gente de força sem igual, mesmo em meio a tantos desafios, danos e perdas ainda encontram motivos para sorrir.

Admin bar avatar
Membro
Richard Maquiavel

Isso deveria ser um crime. Totalmente desumano

Admin bar avatar
Membro
Henrique Barboza Vaz

E a glória de Deus continua sem ser plasmada na terra…culpa desses malditos falsos judeus sionistas! Luz pra nós!!