sex. set 20th, 2019

Cenas de uma tragédia palestina sob terrorismo judaico

Compartilhe a Verdade:


Entenda quem são os ÚNICOS e VERDADEIROS terroristas neste breve artigo.

Durante décadas, os líderes israelenses e a mídia mentirosa judaica insistiram que os palestinos deixassem suas casas na Nakba de 1948, deixando tudo para trás para se tornarem refugiados de livre e espontânea vontade. Milhões de pessoas que passaram sete décadas espalhadas em países vizinhos e em outros lugares negaram-se o direito de voltar para suas casas na terra de seus antepassados ​​que haviam sido tomados por estrangeiros (sionistas judeus) – principalmente judeus europeus – e privados de necessidades humanas básicas pelos países anfitriões.

Grupos paramilitares sionistas como o Irgun, o Lehi, o Haganah e o Palmach costumavam matar todos os palestinos que ousavam voltar às suas aldeias e cidades, sob o pretexto de combater os infiltrados. Mesmo aqueles que entraram simplesmente para recolher alguns de seus pertences para usar nos campos de refugiados ou conhecer seus parentes também foram mortos. O historiador israelense Benny Morris, em seu livro “ As Guerras de Fronteira de Israel, 1949-1956: Infiltração Árabe, Retaliação Israelense e a Contagem Regressiva à Guerra de Suez ”, nos diz que 90% ou mais dessas chamadas infiltrações eram para fins econômicos e sociais.  A grande maioria dos “infiltrados” que foram mortos no período de 1949 a 1956 – estimado entre 2.700 e 5.000 – estava desarmada.

Um idoso palestino e uma criança podem ser vistos durante o Nakba [Hanini / Wikipedia]

As tentativas palestinas de pressionar a comunidade internacional para obrigar Israel a permitir que os palestinos retornem a seus lares falharam. Todas as resoluções das Nações Unidas para esse efeito permanecem no papel devido ao apoio dos EUA a Israel e que, pelas sombras, é propriamente comandado pela própria falsa Israel, enquanto as décadas passaram até a atualidade. Em 2012, os refugiados palestinos nos países vizinhos – juntamente com ativistas de todo o mundo – iniciaram a Marcha Global para Jerusalém, que foi recebida com balas e na qual muitas pessoas perderam suas vidas. Devido à Primavera Árabe esta marcha perdeu o ímpeto, mas o problema permaneceu.

Em março de 2018, outra tentativa nasceu – a Grande Marcha de Retorno . Isso deveria começar em todos os países vizinhos, incluindo a Cisjordânia ocupada e a Faixa de Gaza sitiada . Apenas na Faixa de Gaza a Marcha manteve seu vigor. Pessoas de todas as classes sociais e de todas as origens políticas e afiliações decidiram não morrer de fome ou escassez de remédios, nem quiseram “explodir” na cara do Hamas, como o presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas, e Israel planejaram. Em vez disso, eles decidiram morrer com dignidade ou simplesmente voltar para suas casas legais nas terras ocupadas por Israel.

 

“Nós (mulheres) temos mais força do que qualquer homem”

Enquanto participava da marcha e cuidava dos feridos participantes da Grande Marcha de Retorno, Razan Al-Najjar , uma paramédica voluntária desarmada de 21 anos, foi baleada por um atirador de elite israelense em 1º de junho de 2018. O jaleco branco de Razan estava manchado de sangue, dessa vez diferente de qualquer outro antes. Ela era frequentemente fotografada com o sangue de manifestantes palestinos em seu casaco branco, mas desta vez era seu próprio sangue. Ela tinha um caráter forte e sentiu fortemente sobre a tragédia de seu povo. Ela foi ferida duas vezes antes nas manifestações. Seu pai perdeu sua loja em um ataque aéreo israelense durante a guerra de 2014, que deixou mais de 2.000 palestinos mortos e muitas estruturas destruídas. Por que o atirador israelense decidiu matar Razan?

A paramédico Razan al-Najjar, morta por um atirador de elite israelense na fronteira de Gaza, em 1º de junho de 2018 [Twitter]

“Meu nome é Yaser e nunca viajei na minha vida”

Enquanto Yaser Murtaja cobria o segundo dia da Grande Marcha de Retorno, o fotógrafo e cinegrafista de 30 anos foi morto a tiros, apesar de usar uma jaqueta estilo jornalista azul com a palavra “imprensa”. Ele foi, como um relatório descreveu, “um homem com um sorriso contagiante [que] dedicou sua vida a contar as histórias dos moradores de Gaza.” Yaser sempre esperava deixar Gaza – que tem estado sob embargo e supressão israelense nos últimos 13 anos. – um desejo que ele não poderia cumprir. Ele amava crianças, gatos e seu trabalho. Yaser era marido e pai de um filho. Yaser amava a vida, sua câmera e, mais importante, sua terra natal.

Soldados israelenses também mataram o fotojornalista palestino Yaser Murtaja na Faixa de Gaza.

3: Retornando a Hirbiya

Uma mulher palestina de 44 anos, Amal Mostafa Al-Taramsi, foi baleada na cabeça por forças de ocupação israelenses durante os protestos da Grande Marcha de Retorno, tornando-se a primeira fatalidade palestina em 2019. De acordo com fontes locais, ela estava afastada cerca de 250 metros de distância da cerca limite quando um atirador de elite israelense terminou sua vida. Ela sempre sonhou em retornar à sua aldeia na terra de seus ancestrais, Hirbiya.

4: Bomba judaica na cara

Vinte e três anos de idade, Haitham Abu Sabla foi atingido no rosto por uma bomba de gás disparados pelas forças de ocupação israelenses durante a Grande Marcha do Retorno. A vasilha perfurou sua bochecha, ficou presa lá e a fumaça escorreu de sua boca, em uma cena que combina com um filme de terror. Haitham passou três dias em suporte de vida. Hussam Al-Majayda, o médico que o operou, disse: “É a primeira vez que lidamos com uma coisa dessas, levou 45 minutos para remover a lata.” Felizmente, embora a mandíbula e o rosto de Haitham tenham sofrido múltiplas fraturas e dentes e nariz foram danificados, ele sobreviveu.

Toda sexta-feira, milhares de palestinos se reúnem perto da cerca israelense – com a intenção de separar a Faixa de Gaza do resto da Palestina – e realizam protestos civis. Como apontado pela Human Rights Watch (HRW), o exército israelense tem atacado os manifestantes, matando cerca de 250 pessoas, ferindo cerca de 26 mil e causando a perda de cerca de cem membros. Em nenhum desses casos os manifestantes representaram um perigo imediato e iminente para as vidas dos soldados israelenses. Entre estes, 461 médicos foram alvos de soldados israelenses, 42 ficaram feridos e três foram mortos.

A tragédia continua… AGORA! Acorda pra verdade nação Brasileira!

Compartilhe a Verdade:


5
Deixe um comentário

Please Login to comment

Entre com:




5 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
Pedro SaintsJoão PedroThiago GalhasAdmin bar avatarivan Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
ivan
Membro
ivan

credo nesses fedorentos

Admin bar avatar
Membro
Richard Maquiavel

Triste realidade
Que a justiça venha para esse povo guerreiro
Luz pra nós!

Thiago Galhas
Membro

Lamentável! Que esse quadro mude logo em favor dos justos.

João Pedro
Membro

Luz pra nós!

Pedro Sora
Editor

a hora desses judeus vai chegar, irão queimar como merecem